mirando mundo

o mundo… sob um certo olhar – e interação

Por que não consumir TRANSGÊNICOS

Transgênicos são inseguros e têm que ser banidos”

23 de Novembro de 2007

São Paulo, Brasil — Diretor executivo do Instituto pela Tecnologia Responsável e autor de dois livros-bomba contra os transgênicos – Sementes da Decepção e Roleta Genética -, Jeffrey Smith dedica boa parte do seu tempo viajando o mundo para dar palestras e alertar governos sobre os riscos da biotecnologia aplicada aos alimentos. Não são poucos.

“Diferentemente da poluição química, os transgênicos se auto-propagam e podem se tornar elementos fixos de nosso meio ambiente. Com tamanha herança, me parece razoável e prudente congelar qualquer novo lançamento de transgênicos até que tenhamos uma melhor compreensão do DNA, e as ramificações de nossa intervenção”, afirma Smith, que esteve no Brasil em outubro e participou do seminário Alimentos transgênicos e seus impactos na saúde, no meio ambiente e na economia. Em seguida, concedeu esta entrevista à Revista do Greenpeace.

1 – Qual é a sua principal preocupação em relação aos transgênicos hoje em dia: contaminação genética, riscos à saúde humana ou a ameaça econômica dessa tecnologia?

R – Eu me especializei nos perigos à saúde dos organismos geneticamente modificados (OGMs), que hoje estão ligados a milhares de doenças, casos de esterilidade e morte, milhares de reações tóxicas e alérgicas em humanos, e danos a virtualmente todo órgão e sistema estudados em animais de laboratórios. Esses perigos, no entanto, ganham ainda mais força pelo fato dos OGMs contaminarem as plantações não-transgênicas e as espécies selvagens, permanecendo no meio ambiente por muito tempo.

2 – O governo francês anunciou recentemente que vai congelar o cultivo de transgênicos no país até que seja possível provar que esses organismos não oferecem risco aos humanos e ao meio ambiente. Outros países europeus fizeram o mesmo. Por outro lado, países como Brasil, China e Índia estão ampliando suas plantações de transgênicos. Como você explica isso?

R – Está claro para mim que o assunto ganhou força no Brasil graças a uma combinação de desinformação e forte influência da Monsanto e outras corporações multinacionais, além dos Estados Unidos. Isso é também verdade para outros países que estão apostando nos transgênicos, mas sua adoção é um passo ruim em termos econômicos para os agricultores e para a economia do país em geral.

O impacto dos transgênicos nos Estados Unidos e no Canadá foi um desastre econômico. As exportações de milho e canola para a Europa se perderam, as vendas de soja estão baixas e o governo americano gasta de US$ 3 bilhões a US$ 5 bilhões por ano para assegurar os preços das colheitas de transgênicos que ninguém quer. A expansão dos transgênicos no Brasil prejudica a oportunidade do país de se aproveitar do crescente mercado para produtos não-transgênicos.

3 – Muitos países têm regras sobre a rotulagem de produtos que são fabricados com matéria-prima transgênica, mas quase ninguém as respeita. No Brasil, acontece o mesmo. Como o direito do consumidor de escolher entre transgênicos e não-transgênicos pode ser respeitado?

R – A rotulagem funciona bem na União Européia, mas é praticamente ignorada no Brasil. Isso é uma vergonha terrível e deixa os consumidores sem escolha de obter produtos não-transgênicos mais saudáveis. Não conheço os recursos legais ou legislativos que os brasileiro podem ter para forçar as empresas a seguir a lei. Nos Estados Unidos, não temos regras de rotulagem para transgênicos. Como uma alternativa, estamos promovendo um rótulo que diz “Não-transgênico”. Já os vi em alguns produtos no Brasil. Sem essa afirmação (ou um rótulo de produto orgânico), consumidores teriam que evitar todos os produtos brasileiros contendo derivados de soja ou óleo de semente de algodão – que são plantados no país. Para produtos americanos, os consumidores também teriam que evitar derivados de milho e canola, que são em sua maioria transgênicos.

4 – Em sua apresentação no seminário sobre transgênicos da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em São Paulo, você observou que quanto mais os consumidores sabem sobre os transgênicos, mais eles o rejeitam. Que tipo de informação ainda não chegou ao público e que deveria chegar imediatamente, devido à sua importância?

R – Variedades de milho e algodão são geneticamente modificados para produzir uma proteína pesticida chamada toxina Bt (do Bacillus thuringiensis). Ela é usada por agricultores na forma de spray e por isso foi considerada inofensiva para o ser humano. Mas isso é claramente equivocado. As pessoas expostas ao spray com a toxina Bt tiveram todos os tipos de sintomas alérgicos e ratos que ingeriram o Bt tiveram alterados seus sistemas imunológicos e apresentaram crescimento anormal e excessivo de células. O Bt encontrado em alguns transgênicos é mais tóxico e milhares de vezes mais concentrado do que o spray, e vem sendo acusado por inúmeros casos de doenças em humanos e outros seres vivos.

Outro problema é que os genes inseridos nesses organismos geneticamente modificados podem ser transferidos da comida para a bactéria que temos em nosso aparelho digestivo ou outros órgãos internos. Essa possibilidade foi descartada antes baseada suposição de que genes ingeridos são destruídos rapidamente pelo sistema digestivo. Não é bem assim.Estudos em animais demonstraram que o DNA ingerido por viajar pelo corpo, até mesmo até o feto por meio da placenta. Os transgenes de plantações geneticamente modificadas ingeridos por animais foram encontrados no sangue, fígado e rins. O único teste publicado sobre alimentação humana com comida transgênica verificou que o material genético inserido na soja transgênica foi transferido para o DNA das bactérias do intestino.

Agora, junte os dois riscos acima a um terceiro. Se o gene do milho que cria a toxina Bt for transferido para as bactérias de nosso sistema digestivo (como partes do gene da soja vem fazendo), nossa flora intestinal pode ser transformada numa fábrica viva de pesticida.

Além desse problema, animais de laboratório alimentados com comida transgênica tiveram problemas de crescimento, no sistema imunológico, sangramento estomacal, crescimento anormal e potencialmente cancerígeno de células no intestino, desenvolvimento anormal de células sanguíneas, problemas nas estruturas celulares do fígado, pâncreas e testículos, alteração da expressão genética e do metabolismo celular, lesões no fígado e rins, fígados parcialmente atrofiados, rins inflamados, cérebros e testículos menos desenvolvidos, fígados, pâncreas e intestinos inchados, redução das enzimas digestivas, alta no açúcar no sangue, inflamação no tecido pulmonar, e aumento nas taxas de mortalidade. Dezenas de agricultores relataram que variedades transgênicas de milho causaram esterilidade em seus porcos e vacas, pastores afirmam que 25% de suas ovelhas morreram ao comer plantas de algodão Bt (cerca de 10 mil ovelhas mortas), e outros afirmam que vacas, búfalos, galinhas e cavalos também morreram após comerem plantações transgênicas. Agricultores filipinos em pelo menos cinco vilarejos ficaram doentes quando o milho Bt de plantações vizinhas estava polinizando e centenas de trabalhadores na Índia relataram reações alérgicas ao manusear algodão Bt.

5 – Pessoas que comem produtos transgênicos por longos períodos podem ter problemas de saúde? Há casos ou evidências disso?

R – Uma das afirmações mais anti-científica e perigosa já feita pela indústria de biotecnologia é que milhões de pessoas nos Estados Unidos comeram alimentos transgênicos durante uma década e ninguém ficou doente. Pelo contrário, os transgênicos já podem estar contribuindo para sérios problemas de saúde, mas como ninguém estava monitorando isso, pode levar várias décadas até que seja possível identificar esses problemas.

Nos anos 80, cerca de 100 americanos morreram e entre 5 mil e 10 mil ficaram doentes devido a um suplemento alimentar transgênico chamado L-tryptophan. Apesar de ter havido um esforço concentrado para desviar a culpa para outras causas, é quase certo que a epidemia aconteceu devido ao processo de engenharia genética. A epidemia quase foi ignorada. A razão pela qual foi descoberta foi que os sintomas eram únicos, agudos e apareceram rapidamente.

Na Inglaterra, alergias à soja dispararam em 50% depois que a soja transgênica foi introduzida no mercado. Mas sem pesquisas e testes clínicos em seres humanos, não podemos saber se a soja transgênica é realmente a culpada. Os alimentos transgênicos podem estar contribuindo para vários tipos de problemas de saúde nas pessoas, mas a essa ligação pode não ser descoberta em anos, se é que vai.

6 – Em suas apresentações pelo mundo e em seus livros, você fala sobre vários estudos que relatam sérios problemas com os transgênicos. Sendo assim, como órgãos governamentais nos Estados Unidos, Brasil e na Europa aprovam esses produtos?

R – Autoridades governamentais pelo mundo têm sido coagidas, pressionadas e pagas pela indústria de biotecnologia. Na Indonésia, a Monsanto pagou propinas e fez pagamentos questionáveis a pelo menos 140 autoridades, para ter seu algodão transgênico aprovado. Na Índia, uma autoridade alterou o relatório sobre o algodão Bt da Monsanto para melhorar os dados de rentabilidade do produto. No México, uma autoridade governamental ameaçou um professor da Universidade da Califórnia, afirmando saber qual escola os filhos dele frequentavam, tentando obrigá-lo a não publicar uma evidência incriminadora que adiaria a aprovação de transgênicos no país. A maior parte da manipulação e pressão política é mais sutil, mas na FDA americana (órgão que fiscaliza a produção de alimentos e medicamentos nos Estados Unidos), a pessoa encarregada das políticas de transgênicos era Michael Taylor, ex-advogado da Monsanto e depois, vice-presidente da empresa. A FDA afirmava que os transgênicos não eram substancialmente diferentes e que nenhum estudo de segurança era preciso. Anos depois, documentos da FDA tornados públicos após uma ação judicial mostraram que a afirmação do órgão era uma fraude. O consenso entre os cientistas da própria agência era que alimentos transgênicos eram perigosos e podeia criar alergias difíceis de se detectar, além de toxinas, novas doenças e problemas nutricionais. Eles exigiram de seus superiores novos estudos de segurança.

Outras agências reguladores estão sob a mesma influência da indústria de biotecnologia. Além disso, uma análise pormenorizada das pesquisas enviadas pelas empresas mostram como eles são meticulosamente rigorosos em evitar a descoberta de problemas nos transgênicos.

7 – Quando o assunto está em debate, alguns dizem que a tecnologia dos transgênicos é importante para a humanidade enfrentar (e vencer) a forme. Você acredita nisso?

R – Alimentos transgênicos não contribuem para combater a fome no mundo. Se os transgênicos fossem uma solução verdadeira para a fome, todos as cinco afirmações abaixo deveriam ser verdadeiras. Então, os transgênicos deveriam ser:

1 – seguros;
2 – produzir colheitas maiores;
3 – promover colheitas consistentes e confiáveis;
4 – Ser melhores que as opções concorrentes;
5 – Ser a fome solucionada pelo aumento da produtividade nas colheitas.

Todas as cinco afirmações são falsas. Os alimentos transgênicos não são seguros. As colheitas de transgênicos podem ser perigosas inconsistentes. Milhares de agricultores de algodão Bt endividados na Índia cometeram suícidio. Outros métodos são bem melhores para melhorar as colheitas e a vida dos agricultores. O aumento na produtividade da plantação não erradica, por si só, a fome. Especialistas e organizações mundo afora condenam as empresas de biotecnologia por afirmarem que as plantações de transgênicos resolverão a fome no mundo. Um relatório da ActionAid concluiu que em vez de aliviar a fome no mundo, a tecnologia dos transgênicos “pode exarcebar a insegurança alimentar, aumentando o número de pessoas com fome.”

8 – Você escreveu um livro – Sementes da Enganação – para expor os erros da indústria. Teve algum sucesso? A indústria mudou a forma de agir?

R – O livro se tornou o livro sobre transgênicos mais vendido do mundo e a base de informação para muitos sobre o assunto. Também teve um grande impacto nos responsáveis por elaborar políticas públicas. Por exemplo, fui informado de que membros do board de supervisores do condado de Trinity, na Califórnia leram o livro e criaram uma zona livre de transgênicos na região. Teve também impacto crucial no estado de Vermont, nos EUA, que se tornou o primeiro no país a regular os transgênicos.

O livro é uma série de histórias, e sendo assim se torna difícil de ser usado como referência específica em relação a problemas com transgênicos. Meu segundo livro, Roleta Genética, é muito mais fácil para ser usado pelos responsáveis por políticas públicas. Tem um guia de duas páginas sobre os 65 riscos mais comuns dos transgênicos, cada um deles com um sumário executivo. Pode ser então lido com rapidez ou estudado em detalhe. Tem sido fornecido para governos em todo o mundo como uma evidência de que o alimento transgênico é inseguro e precisa ser banido.

9 – Muitos cientistas afirmam que a tecnologia transgênica não está pronta para chegar ao mercado consumidor. Estará algum dia?

R– Difícil dizer se vamos aprender como alterar o DNA de plantas de uma forma segura e previsível. Hoje não estamos nem perto disso; as empresas estão oferecendo produtos de uma ciência que ainda está em seu estágio infantil para milhões de pessoas e liberando eles no meio ambiente onde podem alterar permanentemente o ecossistema.

A terapia de genes humanos e medicamentos transgênicos tem uma relação de risco/benefícios bem diferente do que a tecnologia aplicada em alimentos e plantações. A exposição é menos e o controle é maior. É mais fácil justificar o emprego dessas tecnologias, mas os processos têm riscos únicos que devem ser respeitados.

10 – Você afirma: “Os transgênicos podem ser o próximo grande problema, depois do aquecimento global e do lixo atômico.” Por que?

R – Diferentemente da poluição química, os transgênicos se auto-propagam e podem se tornar elementos fixos de nosso meio ambiente. Me parece razoável e prudente congelar qualquer novo lançamento de transgênicos até que tenhamos uma melhor compreensão do DNA, e as ramificações de nossa intervenção.

13 de março de 2008 Posted by | AÇÃO DIRETA | , , | 3 Comentários